Estudo da Gramática: Concordância Verbal

QUADRINHO.CONCORDANCIA.GRAMATICA2

Eis um assunto extenso. Concordo com o gramático Rodrigo Bezerra (1) que diz que o sucesso aqui se dá, principalmente, pela repetição. Daí a ideia de escrever este artigo e compartilhá-lo com vocês. O que irei aprender escrevendo este artigo e compartilhando-o compensa o grande trabalho.

Lembro a todos que procuro absorver as ideias dos autores e tento expressá-las aqui. Acredito que tentar expressar aquilo que eu penso que aprendi é um novo aprendizado. Sintam-se a vontade para criticar, recomendar, corrigir e, se acharem que eu mereço, elogiar não fará mal.

Por fim, lembro que não tenho licenciatura em letras e, portanto, se todo profissional pode errar, por ser humano, não sendo um profissional da área, me sinto feliz em aprender ainda mais com meus próprios erros.

Inicialmente este artigo tinha o intuito de abordar a Regência Verbal e Nominal juntas. Após algum tempo escrevendo percebi que ficaria extenso demais e resolvi dividí-lo em dois posts. Esclarecido isso, vamos ao que interessa.

1. Introdução

Sintaxe de Concordância é a responsável pela harmonização das palavras dentro do período. Pode-se dizer também que é a harmonia de flexão das palavras de uma frase.

Há dois tipos de harmonização:

  • Concordância Verbal: Busca a harmonia entre o verbo e o seu sujeito.
  • Concordância Nominal: Busca a harmonia entre o substantivoos termos que a ele se referem.

O gramático Roberto Melo Mesquita (2) inicia o estudo da concordância abordando dois conceitos muito úteis:

  • Termo Regente: É o termo que determina a concordância.
  • Termo Regido: É o termo que obedece ao que determina o regente quer em número e pessoa, quer em gênero e numero.

Iniciaremos nosso estudo pela concordância verbal e, em seguida, abordaremos o estudo da concordância nominal. Antes, porém, conheçamos a seguinte questão:

Quando falamos em sintaxe de concordância, não podemos apenas falar em concordância verbal e nominal. É preciso entender que a concordância às vezes é uma questão de estilo, outras vezes ela foge ao que é rotineiramente usado na dia-a-dia pelos falantes da língua. Tentarei lembrar dessas duas características importantes desse assunto à medida que eu for adentrando nele. Dito isso, temos que levar em conta as seguintes formas de harmonizar.

  • Concordância Gramatical: A harmonização é feita com o núcleo do termo.
  • Concordância Atrativa: A harmonização é feita com o núcleo mais próximo.
  • Concordância Ideológica: A harmonização é feita com a ideia passada pelo termo.

Exemplos:

Ex.1.1: O motivo simples de tantos atos supostamente cruéis somente anos depois se manifestou.

Concordância Gramatical: motivo → núcleo do sujeito / manifestou → forma verbal que concorda com o núcleo do sujeito.


 Ex.1.2: Um grupo de pesquisadores holandeses iniciarão um estudo sobre a febre aftosa no brasil.

Concordância Atrativa: pesquisadores → núcleo do sujeito / iniciarão → forma verbal que concorda com o núcleo mais próximo.


Ex.1.3: Uma multidão avançou sobre o juiz. Disseram que já não mais aguentavam tanta roubalheira.

Concordância Ideológica: Multidão → núcleo do sujeito (substantivo coletivo) / Disseram → forma verbal que concorda com a ideia trazida pelo termo multidão (várias pessoas).

Geralmente, a norma culta prescreve a concordância gramatical. Contudo, ocorrem exceções que serão, o máximo possível, abordadas.


2. Concordância Verbal

Como foi dito acima, concordância verbal é a harmonização entre o verbo da oração e o seu sujeito. Só estude esse assunto se você já conseguir identificar, com certa tranquilidade, o sujeito. Pode parecer trivial, mas observe as orações abaixo e tente identificar o sujeito de cada uma delas:

Ex.2.1. Aluga-se casa.

Ex.2.2. Transmitiram-lhe novas informações sobre o caso investigado pela Polícia Federal.

Ex.2.3. Assistiu-se a muitos filmes nestas férias.

Ex.2.4. Desfizeram-se todas as dúvidas

Ex.2.5. Precisa-se de encanadores.

Ex.2.6. Compraram-se novas ferramentas para construção do edifício.

Obs: As respostas encontram-se no final do artigo.

Conseguiu? É um bom sinal para prosseguir. Não conseguiu? Estude os termos essenciais e integrantes da oração juntamente com verbos impessoais na parte de morfologia para aumentar as suas chances de compreender o que vem adiante.

A didática será a seguinte:

Em concordância verbal dividiremos o assunto assim:

  • 2.1. Sujeito Simples
    • 2.1.1. Regra Geral
    • 2.1.2. Regras Especiais ( 15 casos )
  • 2.2. Sujeito Composto
    • 2.2.1. Regra Geral e Regra de Prevalência
    • 2.2.2. Regras Especiais ( 11 casos )
  • 2.3. Concordância Verbal com o Verbo SER ( 8 casos )
  • 2.4. Concordância Verbal com o Sujeito Oracional ( 4 Formas )
  • 2.5. Concordância Verbal com o Verbo PARECER seguido de INFINITIVO
  • 2.6 Concordância Verbal com os verbos OUVIR-SE e VER-SE seguidos de INFINITIVO
  • 2.7.Concordância Verbal com os verbos COSTUMAR, PODER, DEVER, PRECISAR

Dentro de cada item acima (2.1 até 2.6), colocarei, quando necessário, as seções:

  • Lembre-se: Referência a uma outra regra ou tópico gramatical importante para a LEMBRE-SEcompreensão da regra.

 

  • Dicas: Orientação sobre como será ou deve ser abordada alguma regra.

DICA2

 

 

  • Cuidado: Alerta para o perigo da regra ser mau compreendida ou usada de maneira inadequada.CUIDADO

 


2.1 Concordância Verbal: Sujeito Simples

A concordância verbal feita com sujeito simples, isto é, aquele que possui um único núcleo ligado diretamente ao verbo, é feita conforme as regras dos itens 2.1.1 e 2.1.2.

Ex.2.1.1. Exemplos de orações com sujeitos simples:

A rua estava deserta.
Os meninos estão gripados.
Todos cantaram durante o passeio.

2.1.1. Regra Geral – Sujeito Simples

O verbo concorda em número e pessoa com seu sujeito simples.

Ex.2.1.1.1. Exemplos:

O pensamento dos novos filósofos contemporâneos não se antepõe ao pensamento grego.

  • Núcleo do Sujeito: pensamento
  • Verbo: se antepõe (3.p.s)

Grandes golpes sofreram nossos antepassados quando muitas doenças assolaram cidades inteiras.

  • Núcleo do Sujeito:antepassados
  • Verbo: sofreram (3.p.p)

Do Norte e Nordeste brasileiro, advieram, nas décadas de 60 e 70, muitos imigrantes para São Paulo.

  • Núcleo do Sujeito: imigrantes
  • Verbo: advieram (3.p.p)
  • Ordem direta da Oracão: Muitos imigrantes do Norte e Nordeste advieram para São Paulo nas décadas de 60 e 70.

2.1.2. Regras Especiais – Sujeito Simples

2.1.2.1 Regras Especiais(Sujeito Simples): Sujeito formado por expressões partitivas (uma parte de, a metade de, o grosso de, um grande número de, uma porção de, a maioria de, etc.) juntamente com expressão explicativa ou especificativa que as acompanha

Quando o sujeito for formado por expressões partitivas (uma parte de, a metade de, o grosso de, um grande número de, uma porção de, a maioria de, etc.) há duas formas de concordância permitidas:

O verbo concorda no singular com o núcleo dessas expressões:

  • Boa parte dos inscritos no último concurso irá realizar a prova no centro da cidade.
  • Grande número de automóveis circula nas principais capitais brasileiras.
  • Por incrível que pareça, a maioria dos participantes anteviu o resultado da gincana.

O verbo concorda com o termo da expressão explicativa ou especificativa:

  • Boa parte dos inscritos no último concurso irão realizar a prova no centro da cidade.
  • Grande número de automóveis circularam nas principais capitais brasileiras.
  • Por incrível que pareça, a maioria dos participantes anteviram o resultado da gincana.

2.1.2.2 Regras Especiais(Sujeito Simples): Sujeito formado por números percentuais ou fracionários seguidos de uma especificação

Quando o sujeito for formado por números percentuais ou fracionários seguidos de uma especificação há duas formas de concordância permitidas (Exceção: veja a seção CUIDADO desse item):

O verbo concorda com o numeral:

  • 32% de todo o dinheiro serão doados para instituições de caridade.
  • 8,6% dos entrevistados alegaram que não gostam de comprar a prazo.
  • 1/4 dos alunos do ensino médio prestará vestibular para medicina.
  • Parece que só 2/3 de todo o grupamento masculino requereram a dispensa para as festas natalinas

O verbo concorda com o termo ou expressão especificativa:

  • 32% de todo o dinheiro será doado para instituições de caridade.
  • 8,6% dos entrevistados alegaram que não gostam de comprar a prazo.
  • 1/4 dos alunos do ensino médio prestarão vestibular para medicina.
  • Parece que só 2/3 de todo o grupamento masculino requereu a dispensa para as festas natalinas.

CUIDADO

Se o numeral vier precedido de algum determinante, a concordância será feita com esse determinante.

Ex.2.1.2.2.1. Os 15% restantes do grupo pesquisado serão novamente entrevistados na próxima semana.

 

 


 

DICA2

Não esqueça que o numeral “zero” assim como o numeral “um” levam o verbo para o singular.


2.1.2.3 Regras Especiais(Sujeito Simples): Sujeito formado por expressões que indicam quantidade aproximada (cerca de, perto de, mais de, menos de, coisa de, obra de, passante de, etc.) seguidas de um numeral.

Quando o sujeito for formado por expressões que indicam quantidade aproximada seguidas de um numeral, há uma única forma de concordância permitida.

O verbo concorda com o numeral que acompanha a expressão:

  • Cerca de duzentas pessoasintervieram no protesto.
  • Perto de quinze manifestantesse aglomeraram em frente ao Palácio do Planalto.
  • Mais de vinte alunos foram reprovados neste ano em nossa escola.

2.1.2.4 Regras Especiais(Sujeito Simples): O sujeito contém a expressão “mais de um”

Quando o sujeito contiver a expressão “mais de um”, há apenas uma forma de concordância permitida (Exceção: veja a seção CUIDADO desse item):

O verbo deverá ficar no singular:

  • A polícia percebeu que mais de um bandidose escondia na mata.
  • Mais de uma criançase entreteve com o novo brinquedo que fora colocado no salão de jogos.
  • Mais de um coração de guerreirobatia apressado.

 


CUIDADO

Existem duas exceções para essa regra (2.1.2.4):

  • A expressão “mais de um” aparece repetida :

Ex.2.1.2.4.1. Mais de um interventor, mais de um advogado, mais de um engenheiro compareceram ao prédio que ruiu.

  • A expressão “mais de um” vem acompanhada de um verbo que indique reciprocidade:

Ex.2.1.2.4.2. Mais de um deputado se agrediram na última sessão plenária.


 

2.1.2.5 Regras Especiais(Sujeito Simples): O sujeito é um pronome de tratamento

Quando o sujeito contém um pronome de tratamento, há apenas uma concordância permitida:

O verbo deverá concordar com a 3º pessoa (singular/plural):

  • Vossas Excelências ainda não avaliaram o meu pedido.
  • Se Sua Majestade quiser, eu posso lhe entregar todas as cópias do processo, disse o advogado à secretária do rei.

Observe, no exemplo acima, que até os pronomes que se referem ao pronome de tratamento vão para 3º pessoa.

  • Vossa Senhoria gostaria de que eu lavasse o seu carro?

2.1.2.6 Regras Especiais(Sujeito Simples): O sujeito contém a expressão “um dos […] que”

Quando o sujeito contém a expressão “um dos […] que”, há duas formas de concordância permitidas (Exceção: veja a seção CUIDADO desse item) :

O verbo poderá concordar tanto com o singular quanto com o plural:

  • Ele foi um dos alunos que mais se destacou/destacaram neste ano.
  • Certamente a ex-secretária será uma das pessoas que se arrependerá/arrependerão dos erros cometidos.
  • Aquele mestre foi um dos poucos que anteviu/anteviram o acidente com o metrô.

 

CUIDADOATENÇÃO: Há casos em que só o singular ou só o plural é possível:

  • Exclusão perceptível pelo contexto do período → Só Singular.
    • Inclusão perceptível pelo contexto do período → Só Plural.

Ex.2.1.2.6.1. Um dos filhos de seu João que me telefonou pela manhã.

O que eu quero dizer com a oração acima é que apenas um dentre os filhos de João ligou. Por exclusão, só o singular é aceitável.


2.1.2.7 Regras Especiais(Sujeito Simples): Sujeito formado por Pronomes Interrogativo, Demonstrativo ou Indefinido NO PLURAL seguido das expressões “de nós” ou “de vós”.

duas concordâncias possíveis:

O verbo poderá concordar com os pronomes:

  • Certamente muitos de vós proporão mudanças para a nossa administração.
  • Eles percebem que quaisquer de nós compravam resolver aquela situação.
  • Quantos de nós, após o confisco das poupanças, não impuseram recurso da decisão.

O verbo poderá concordar com as expressões:

  • Certamente muitos de vós proporeis mudanças para a nossa administração.
  • Eles percebem que quaisquer de nós comprávamos resolver aquela situação.
  • Quantos de nós, após o confisco das poupanças, não impusestes recurso da decisão.

 

CUIDADOSe os Pronomes Interrogativo, Demonstrativo ou Indefinido estiverem NO SINGULAR:

O verbo obrigatoriamente ficará NO SINGULAR:

  • Quem de nós, na mesma situação, não agiria daquele jeito?
  • Qual de vós conhece o segredo do cofre?
  • Algum de nós certamente entregou o colega à direção da empresa.

 


2.1.2.8 Regras Especiais(Sujeito Simples): Sujeito é formado pelo pronomes relativo QUE

O verbo concorda com o TERMO ANTECEDENTE. Neste caso o pronome relativo retoma a palavra precedente e funciona como sujeito para a oração a qual ele mesmo introduz.

  • Exemplos:
    • De repente, apareceram muitos companheiros que apoiaram de imediato o protesto.
    • Fomos nós que propiciamos todo aquele contratempo.
    • Havia muitas indagações que nos deixavam confusos.

CASOS PARTICULARES

1º CASO: Quando o pronome relativo “que” se referir a um VOCATIVO

Considera-se o pronome relativo (QUE) com se fosse da 2º pessoa. A concordância será feita NA 2º PESSOA (TU/VÓS).

  • Alma minha gentil, que te partiste / tão cedo desta vida descontente. (Camões)
  • Homem, que me pedes amor, sabe que eu te detesto. (Epifânio da S. Dias)

2º CASO: Quando o pronome relativo “que” for precedido de: Um de / Uma de / Um dos / Uma das

Há duas formas de concordância consideradas corretas:

  • Uma mais MODERNA(Preferencial): Plural
    • Um dos gestos que melhor exprimem a minha essência foi a devoção com que corri no domingo (…) (Machado de Assis)
    • E chegando a uma das portas que davam para a estalagem, gritou: (…) (Aluízio Azevedo)
  • Adotada em OBRAS CLÁSSICAS: Singular
    • Uma das felicidades que se contava entre as do tempo presente era acabarem-se as comédias em Portugal; mas não foi assim (Pe. Antônio Vieira)
    • Suspendeu-se a uma das palmeiras que servia de esteio à choça, e por um desses movimentos ágeis.. (José de Alencar)

3º CASO: Se houver PREDICATIVO na oração, há duas formas de concordância

  • Concordância com o antecedente imediato ao pronome relativo QUE
    • Nós sempre fomos os homens que compravam os materiais de limpeza.
    • Tu és a flor que despontou livre. (Gonçalves Dias) [modificado]
    • Nós somos os galegos que levaram a barrica (Camilo Castelo Branco) [modificado]
  • Concordância com o sujeito da oração antecedente
    • Nós sempre fomos os homens que comprávamos os materiais de limpeza.
    • Tu és a flor que despontaste livre. (Gonçalves Dias)
    • Nós somos os galegos que levamos a barrica (Camilo Castelo Branco)

4º CASO: Quando o pronome relativo QUE exercer função de sujeito e o termo que o antecede é formado por dois ou mais substantivos

O “QUE” pode retomar qualquer um dos dois substantivos, desde que a lógica da oração adjetiva permita:

  • O preço das ações que se negociou/se negociaram na bolsa de valores caiu em razão de uma interferência externa. (se nogociou → preço / se negociaram → ações)

  • Eles interromperam um processo de atitudes que podia/podiam resolver o problema. ( podia → processo / podiam → atitudes )

  • A lei das sociedades anônimas que foi promulgada esta semana será objeto de impugnação. (QUE retoma a lei)


2.1.2.9 Regras Especiais(Sujeito Simples): Sujeito é formado pelo pronomes relativo QUEM

Há duas formas de concordância a depender do antecedente:

  • Se o antecedente é um pronome do caso reto:
    • O verbo pode concordar com seu antecedente
      • Foste tu quem compraste aquele livro.
      • Parece que fomos nós quem responderemos pelos prejuízos.
    • O verbo pode concordar com a 3º pessoa do singular (ELE / ELA)
      • Foste tu quem comprou aquele livro.
      • Parece que fomos nós quem responderemos pelos prejuízos.
  • Se o antecedente não é um pronome do caso reto:
    • O verbo deve concordar com a 3º pessoa do singular (ELE / ELA)
      • Foram os próprios colegas de trabalho quem compôs a música do aniversário dele
      • Porventura, seriam aqueles dois rapazes quem promoveu toda bagunça?

2.1.2.10 Regras Especiais(Sujeito Simples): Sujeito é formado pelo nomes próprios que só existem NO PLURAL

Há duas formas de concordância (cuidado com a exceção a essa regra):

  • O nome próprio NÃO É precedido de artigo ou o artigo ESTÁ NO SINGULAR
    • Estados Unidos ainda não encontrou um saída para o Iraque.
    • Ilhéus sempre foi uma bela cidade para o turismo
    • O Marrocos sempre encanta os turistas que por lá passam
  • O nome próprio É precedido de artigo NO PLURAL
    • As Filipinas se envolveram numa sangrenta guerra há muitos anos.
    • Os Emirados Árabes sempre exportam petróleo.

 

CUIDADO

Caso esse nome no plural se refira a uma obra artística ou obra literária, tanto o SINGULAR quanto o PLURAL são permitidos:

  • “Os Lusíadas” imortalizaram / imortalizou Luiz Vaz de Camões.
  • “Os Sertões” de Euclides da Cunha representavam / representa um marco para a Literatura Brasileira.

 

 


2.1.2.11 Regras Especiais(Sujeito Simples): Sujeito é formado por substantivo ou numeral COLETIVO seguido de uma ESPECIFICAÇÃO

Há duas formas de concordância permitidas:

  • O verbo poderá concordar com o substantivo COLETIVO
    • Um grupo de arruaceiros invadiu várias lojas no centro da cidade
    • Um bando de aves selvagens sobrevoava a cidade naquele instante.
  • O verbo poderá concordar com a ESPECIFICAÇÃO
    • Um grupo de arruaceiros invadiram várias lojas no centro da cidade
    • Um bando de aves selvagens sobrevoavam a cidade naquele instante.

 

LEMBRE-SE Segundo os dicionários Aurélio e o Houaiss milhão, bilhão, trilhão e quatrilhão são numerais cardinais coletivos. Sendo cardinais eles designam uma quantidade determinada, exata. Por exemplo, quando eu digo que “Um milhão de eleitores votam naquela cidade” essa quantidade é exata.

Se, por extensão de sentido, eu falo “Já repeti isso um milhão de vezes”, esse “milhão” já não significa a mesma coisa da frase logo acima. Ele significa um grande número indeterminado de vezes. Portanto, nesses casos ele classifica-se como substantivo coletivo masculino (por derivação imprópria).

Perceba que nesses dois casos as palavras milhão, bilhão, trilhão e quatrilhão são COLETIVOS e, portanto, seguem a mesma regra abordada aqui.

 

CUIDADO

Cuidado para não se confundir ao aplicar esse caso com os abordados nos itens 2.1.2.3, 2.1.2.4 e 2.1.2.2, abordados anteriormente.

  • Um milhão de pessoas foi / foram ao show.
  • Cerca de um milhão de turistas visitará / visitarão a Europa neste ano.
  • Mais de um milhão de dólares foi gasto / foram gastos para reconstruir o prédio.
  • Um milhão e meio de chineses já se adaptou / se adaptaram com o mercado capitalista
  • Os quinze milhões de crianças brasileiras que se vacinaram hoje ficarão imunes à doença durante um ano.

Tais coletivos não se flexionam em gênero. Apenas flexionam-se em número.


2.1.2.12 Regras Especiais(Sujeito Simples): Verbos dar, soar e bater (verbos pessoais) concordam com seus respectivos sujeitos

  • bateram nos relógios da cidade as horas necessárias para o início do evento.
  • Soou uma hora da tarde no sino da igreja.
  • vão dar dez horas e o João ainda não chegou.

 

LEMBRE-SEVerbos impessoais ficam na terceira pessoal do singular, a exemplo de estar, fazer, haver e ir.

 

 

  • Quando o sujeito dos verbos dar, soar e bater for a palavra “sino“, “relógio” ou “carrilhão“, o verbo concorda com esse sujeito (essas palavras).
    • bateu onze horas o relógio da sala
    • Ainda vai dar duas horas da tarde o carrilhão do quarto do meu avó

 

2.1.2.13 Regras Especiais(Sujeito Simples): Pronome “SE” funcionando como PRONOME APASSIVADOR

O verbo (VTD ou VTD&I) concordará com o sujeito passivo.

  • Tramitiram-se-lhe novas informações sobre o caso investigado pela Polícia Federal.
  • Desfizeram-se todas as dúvidas quando se apresentaram as novas provas.
  • Compraram-se novas ferramentas para a construção do edifício.
  • Entregou-se a cada um dos formandos em Direito uma carta de apresentação para o emprego.

 

Observe os exemplos em que não se obedeceu a essa regra:

  • Ainda não se encontraram, para essas duas tendências contraditórias, qualquer possibilidade de harmonização.
  • A todos esses atos supostamente cruéis, cometidos no reino animal, aplicam-se acima do bem e do mal, a razão da propagação das espécies.
  • Incluem-se entre os inúmeros efeitosda obsessão pela forma física a busca de produtos de consumo, sobretudo os esportivos e os dietéticos

 


2.1.2.14 Regras Especiais(Sujeito Simples): Pronome “SE” funcionando como ÍNDICE DE INDETERMINAÇÃO DO SUJEITO

O verbo (VI ou VTI ou VL) fica na terceira pessoa do singular.

  • Nunca mais se falou do esfacelamento do império russo.
  • Assistiu-se a muitos filmes nestas férias
  • Em alguns bairros da cidade de Recife, mora-se muito bem.
  • Precisa-se de novos jovens empreendedores que mudem a face do mercado.

 


2.1.2.15 Regras Especiais(Sujeito Simples): A expressão HAJA(M) VISTA significando “tenha-se em vista”, “leve-se em conta”, “considere-se”

Há duas formas de concordância permitidas:

  • A expressão fica invariável (HAJA VISTA ),  pois é seguida por um artigo ou preposição.
    • Aquele prédio deve apresentar problemas na estrutura, haja vista as inúmeras reformas que se fizeram
    • Aquele bairro esta se tornando um dos mais violentos, haja vista aos inumeros assaltos que lá ocorrem.
  • A expressão concorda com o substantivo posposto ( HAJA VISTA ou HAJAM VISTA )
    • Aquele prédio deve apresentar problemas na estrutura, hajam vista as inúmeras reformas que se fizeram

 

LEMBRE-SE

Na expressão HAJA(M) VISTA significando “tenha-se em vista”, “leve-se em conta”, “considere-se”, a palavra VISTA é sempre invariável.

 

 


2.3 Concordância Verbal com o Verbo SER ( 8 casos )

2.3.1 Concordância Verbal com Verbo SER: Quando o sujeito é representado pelos PRONOMES neutros ( TUDO, ISTO, AQUILO, O ),duas formas de concordância possíveis:

O verbo SER concorda com o Sujeito:

  • Nem tudo na vida é Flores.
  • O (=Aquilo) que ele mais admira em você é seus belos olhos verdes.

O Verbo SER concorda com o Predicativo:

  • Nem tudo na vida são flores.
  • O (=Aquilo) que ele mais admira em você são seus belos olhos verdes.

2.3.2 Concordância Verbal com Verbo SER:: Quando o sujeito é formado por um SUBSTANTIVO e o predicativo é formado por um SUBSTANTIVO, ambos indicando coisas, há duas formas de concordância possíveis:

O verbo SER concorda com o Sujeito:

  • O problema era bobagens.
  • A cama dele sempre foi restos de jornais velhos.

O Verbo SER concorda com o Predicativo:

  • O problema eram bobagens.
  • A cama dele sempre foram restos de jornais velhos.

2.3.3 Concordância Verbal com Verbo SER: Quando o sujeto é formado (representado) por uma pessoa (Sujeito Personativo), há uma forma de concordância possível:

O verbo SER concorda obrigatoriamente com o Sujeito:

  • Milena era as alegrias de toda a família.
  • A criancinha doente é as preocupações de seus pais.

2.3.4 Concordância Verbal com Verbo SER: Quando o verbo SER fizer parte de uma expressão que indica quantidade (peso,medida,preço), há uma forma de concordância possível

O verbo SER ficará no SINGULAR:

  • Duzentos gramas de presunto é pouco para a lasanha.
  • Dez mil reais fora o bastante para ele comprar um bom automóvel.
  • As quarenta árvores plantadas foi muito para quem só dispõe de dois hectares de terras férteis.

2.3.5 Concordância Verbal com Verbo SER:Quando o Sujeito ou Predicado forem formados por PRONOMES PESSOAIS DO CASO RETO a concordância é feita com eles da seguinte forma:

Caso o Sujeito OU o Predicado contenham PRONOMES PESSOAIS DO CASO RETO, o verbo SER concorda com o PRONOME.

  • Ele sempre foi os olhos da família.
  • O chefe sois vóis.
  • Os responsáveis somos nós.
  • Eles sabem que eu serei os pilares da organização.

Caso o Sujeito E o Predicado contenha PRONOMES PESSOAIS DO CASO RETO, o verbo SER concorda com o Sujeito.

  • Eu não sou eles.
  • Nós não somos eles.

2.3.6 Concordância Verbal com Verbo SER: Quando o verbo SER fizer parte de locuções que indiquem TEMPO ou DISTÂNCIA, há uma forma de concordância possível:

O verbo SER, embora sendo impessoal, concorda obrigatoriamente com a expressão numérica.

  • Foram vinte e um anos de muita repressão.
  • devem ser umas cinco horas da tarde.
  • É meio-dia e meia na cidade de São Paulo.
  • Hoje são dezesseis de abril.

Observação: É licito, se implícito a palavra DIA, a concordância no singular.

  • Hoje é [dia] dezesseis de abril.

2.3.7 Concordância Verbal com Verbo SER: Quando o verbo SER fizer parte da locução EXPLETIVA ou DE REALCE “É QUE”, há uma forma de concordância possível.

O verbo SER permanecerá invariável.

  • É nas horas difíceis QUE se conhecem os verdadeiros amigos.
  • Os homens É QUE deveriam se amar mais uns aos outros.

2.3.8 Concordância Verbal com Verbo SER: Quando o Sujeito for formado por PRONOME INTERROGATIVO, há uma forma de concordância possível:

O verbo SER concorda obrigatoriamente com seu Predicativo:

  • Quem foram os culpados por esta desordem?
  • Que horas são agora, por favor?
  • Que poderiam ser aquelas luzes ao longe?

2.4 Concordância Verbal com SUJEITO ORACIONAL ( 4 Formas )

Em Português os infinitivos e as orações representam o número singular e o gênero masculino. O sujeito oracional é uma oração que exerce a função sintática de sujeito, por isso, vale a regra geral.

REGRA GERAL: O verbo sempre concordará na 3º pessoa do singular com o sujeito oracional.

Acompanhe:

  • São críticas as verificações das senhas dos usuários nessa operações.
    • Sujeito Simples = as senhas dos usuários nos programas.
    • Verbo concorda com o Sujeito(as verificações)
  • É crítico que verifique as senhas dos usuários nesses operações.
    • que verifique as senhas dos usuários nesses operações = Oração Subordinada Substantiva Subjetiva ( Sujeito Oracional )
    • Verbo concorda com a 3º pessoa do singular

Lembre-se: Caso haja algum termo adjetivo, este irá para o masculino.

  • Vencer a sujeição ao acaso pode ser considerado uma das errôneas preocupações do pensamento filosófico.
    • Conciderado (particípio): Funciona como adjetivo (adjetivo participial)

Podemos relacionar aqui QUATRO FORMAS que o sujeito oracional apresenta-se:

2.4.1 Concordância com SUJEITO ORACIONAL – Primeira Forma: O Sujeito Oracional manifesta-se por meio de uma ESTRUTURA PROVERBIAL ou uma ASSESTIVA CATEGÓRICA introduzida por pronome relativo QUEM(= AQUELE QUE ).

  • Quem canta seus males espanta.
  • Quem com porcos se mistura farelo come.
  • Quem com ferro fere com ferro será ferido.

2.4.2 Concordância com SUJEITO ORACIONAL – Segunda Forma: O Sujeito Oracional é uma oração subordinada substantiva subjetiva, desenvolvida e introduzida pelas conjunções QUE e SE, geralmente.

  • É muito difícil que se cumpram os propositos que se formulam a cada início de ano.
  • Não se admite que hajam nascido seres capazes de compor sinfonias.
  • É imprescindível que se cumpram os acordos firmados em relação à oferta de energia e aos preços adequados, e que se atenda ao aumento da demanda.
  • Urge que sejam definidas as metas de oferta de energia em quantidade suficiente e preço adequado, para impulsionar o desenvolvimento do país.

2.4.3 Concordância com SUJEITO ORACIONAL – Terceira Forma: O Sujeito Oracional é uma oração subordinada substantiva subjetiva, reduzida de infinitivo.

  • Não convem aos novos formados em Direito agir de forma contrária à Lei.
  • Caso não nos ocorresse buscar o auxílio de um guia, jamais teríamos encontrado o caminho.
  • Não compete aos historiadores exercer a mera função de arquivistas públicos.
  • Não aprouvesse aos homens criar instituições, certamente viveríamos sob o regime da barbárie.
  • Em muitos prédios do centro, ainda resta, nos anderes mais altos, vender muitas unidades.
  • Faltava dar os últimos retoques para que a festa ficasse pronta.

2.4.4 Concordância com SUJEITO ORACIONAL – Quarta Forma: O Sujeito Oracional é uma oração subordinada substantiva subjetiva, reduzida de infinitivo, que se encontra posposta e apresenta transitividade incompleta. Geralmente o infinitivo é transitivo direto com objeto direto no plural.

  • Os documentos que era preciso encontrar resolveriam o problema.
    • Encontrar os documentos era preciso.

Considere que o pronome relativo (QUE) é objeto direto do verbo (Encontrar). O verbo (era) concorda com o sujeito oracional (Encontrar os documentos). A função sintática do pronome relativo (QUE) é definida pelo infinitivo (núcleo do sujeito oracional).

  • Os navios que é essencial construir servirão para defesa do nosso litoral.
  • O deputado estava preocupado com os votos que lhe convinha arranjar.
  • As medidas que seria oportuno decretar poderiam diminuir as exportações.
  • Fui de encontro às ações que se tentava implantar.
  • Nunca lhe pesou nas costas a dificuldade das funções que lhe cabia desempenhar.

ATENÇÃO: É muito sutil essa regra. Facilmente podemos passar batido e cometer o seguinte erro:

  • INCORRETO: As subvenções que são lícitas obter do governo atrapalham as importações.
  • CORRETO: As subvenções que é lícita obter do governo atrapalham as importações.

2.5 Concordância Verbal  com o Verbo PARECER

O verbo PARECER tem a capacidade de aparecer numa locução verbal como VERBO AUXILIAR como também de forma isolada como VERBO INTRANSITIVO. Veja como sutilmente ele pode fazer parte de um período simples como pode fazer parte de um período composto.

  • Período Simples: As estrelas parecem brilhar.
    • Sujeito Simples: As estrelas
  • Período Composto: As estrelas parece brilharem.
    • Sujeito Oracional: Brilharem as estrelas
  • Período Simples: Alguns animais parecem andar como pássaros.
    • Sujeito Simples: Alguns animais
  • Período Composto: Alguns animais parece andarem como pássaros.
    • Sujeito Oracional:
  • Período Simples: As lágrimas pareciam não a deixar viver a vida.
    • Sujeito Simples: As lágrimas
  • Período Composto: As lágrimas parecia não a deixarem viver a vida.
    • Sujeito Oracional:

Quando o verbo PARECER forem seguido de INFINITIVO apenas um dos dois verbos pode ir para o plural concordando com o seu Sujeito.

 


2.6 Concordância Verbal com os verbos OUVIR-SE e VER-SE seguidos de INFINITIVO

Da mesma forma, quando os verbos OUVIR-SE e VER-SE (verbos acidentalmente pronominais) forem seguidos de INFINITIVO apenas um pode ir para o plural concordando com o seu Sujeito.

  • Período Simples: Nunca mais se ouviram os acordes do hino de Pernambuco tocar. 
    • Os acordes do hino de Pernambuco nunca mais se ouviram tocar.
  • Período Composto: Nunca mais se ouviu os acordes do hino de Pernambuco tocarem.

 


2.7 Concordância Verbal com os verbos COSTUMAR, PODER, DEVER, PRECISAR

Em locuções passivas seguidas de um infinitivo transitivo direto, há duas formas de concordâncias possíveis:

  • Formar uma locução verbal com o infinitivo:
    • Em virtude da lei não se deve comprar produtos pirateados.
    • Se se pudesse aprovar mais lei em menos tempo, o país cresceria mais rápido.
    • No Brasil, costuma-se vender carros usados para pessoas mais pobres.
    • “Concluo que não se devem abolir as loterias” (Machado de Assis).
    • Mas a Vossa Excelência pode-se dizer estas cousas, porque pertence à elite: a desgraça de Portugal é a falta de gente (Eça de Queiroz).
  • Concordar o sujeito oracional (com a 3º pessoa do singular):
    • Em virtude da lei não se devem comprar produtos pirateados.
    • Se se pudessem aprovar mais lei em menos tempo, o país cresceria mais rápido.
    • No Brasil, costumam-se vender carros usados para pessoas mais pobres.

 

(Este Post ainda está sendo contruído. Em breve, estará completo.)

APÊNDICE

1. Respostas: Identificando os sujeitos da oração. Exemplos 2.1 a 2.6.

Ex. 2.1. Sujeito: Casa / Ex. 2.2. Sujeito: novas informações / Ex. 2.3. Sujeito: Indeterminado  / Ex. 2.4. Sujeito: Todas as dúvidas / Ex. 2.5. Sujeito: Indeterminado / Ex. 2.6. Sujeito: novas ferramentas


Bibliografia

1. BEZERRA, Rodrigo. Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo:Método, 2012. 5. ed. pg. 515-561.

2. MESQUITA, Roberto Melo. Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo:Saraiva, 1997. 6. ed. pg. 484-502

3. GETUSSP. Aula – Língua Portuguesa – Concordância Verbal – Parte I.
Disponível Em: <https://www.youtube.com/watch?v=0fnunc0_YI8&gt;. Acesso em: 18/02/2015

4. GETUSSP. Aula Língua Portuguesa – Concordância Verbal – Parte II
Disponível Em: <https://www.youtube.com/watch?v=lNV97xIhMmg&gt;. Acesso em: 18/02/2015

5. GETUSSP. Aula Língua Portuguesa – Concordância Verbal – Parte III
Disponível Em: <https://www.youtube.com/watch?v=y7nJ-PbnUk8&gt;. Acesso em: 18/02/2015

6. GETUSSP. Aula Língua Portuguesa – Concordância Verbal – Parte IV
Disponível Em: <http//www.youtube.com/watch?v=DnXtYmt7oCA>. Acesso em: 18/02/2015

7. GETUSSP. Aula Língua Portuguesa – Concordância Verbal – Parte V
Disponível Em: <https://www.youtube.com/watch?v=QgobGaF-0Zs&gt;. Acesso em: 18/02/2015

8. GETUSSP. Aula Língua Portuguesa – Concordância Verbal – Parte VI
Disponível Em: >https://www.youtube.com/watch?v=_kYG2o7FTYI&gt;. Acesso em: 18/02/2015

GRAMATICA - RODRIGO-BEZERRA

Gramatica - Roberto Melo Mesquita

 

Um comentário em “Estudo da Gramática: Concordância Verbal

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s